Produção de ovos de chocolate por detentos auxilia na renda familiar

Voltar
Faltando apenas uma semana para a páscoa, já é grande a procura pelo símbolo maior da data comemorativa: os ovos de chocolate. A venda deverá movimentar R$ 2,8 bilhões em vendas este ano, segundo uma pesquisa da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). Não pensando apenas na lucratividade, mas também em proporcionar uma capacitação, ocupação e melhorar a autoestima reeducandos da Carceragem de Parauapebas concluíram hoje (07), o curso de processamento de chocolate. No total, 25 detentos participaram das aulas que começaram na última segunda-feira (03). O curso foi promovido pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR) e o Sindicato dos Produtores Rurais de Parauapebas (SIPRODUZ), em parceria entre a Superintendência do Sistema Penitenciário do Estado do Pará (Susipe). Este já é o segundo curso realizado na unidade, o primeiro foi de panificação. As aulas acontecem nas dependências da carceragem. FOTO: AKIRA ONUMA / ASCOM SUSIPE DATA: 07.04.2017 BELÉM - PARÁ

 Agência Pará de Notícias

Na próxima semana ocorre a celebração da páscoa. E com a data a procura por ovos de chocolate cresce. O produto deverá movimentar R$ 2,8 bilhões em vendas este ano, segundo pesquisa da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). E nesse mesmo contexto, reeducandos da Carceragem de Parauapebas concluíram hoje (7), o curso de processamento de chocolate. No total, 25 detentos participaram das aulas que começaram na última segunda-feira (3).

O curso foi promovido pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar) e o Sindicato dos Produtores Rurais de Parauapebas (Siproduz), em parceria com a Superintendência do Sistema Penitenciário do Estado do Pará (Susipe). Este já é o segundo curso realizado na unidade, o primeiro foi de panificação.

Com carga horária de 40 horas-aulas, os internos conheceram os melhores chocolates para trabalhar, como fazer pirulitos, bombons regionais e os tradicionais ovos de chocolate, além de cuidados com a higiene para o manuseio dos produtos, melhores horários para a produção, tempo de refrigeração, dicas para o ponto ideal e embalagem do produto, além de técnicas de marketing e vendas.

Marquejanes da Silva Moura, de 35 anos, sabe muito bem que cozinha não é lugar apenas de mulher. Ele trabalhava como pizzaiolo quando estava em liberdade e na sua casa quase sempre era o responsável pelas refeições. Ele foi um dos alunos mais dedicado e participativo.

“Eu achei ótima a iniciativa e a cada dia a gente aprende mais. É bom também porque quem está lá fora (em liberdade) pensa que aqui só tem gente que não presta e improdutiva, e não é bem assim. A gente tá aprendendo pra quando sair sermos pessoas melhores”, afirmou.

Com baixo investimento e retorno rápido, a instrutora do curso Dinair Lima Silva alerta para a venda de chocolates durante todo o ano e não apenas no período da páscoa. “O curso dá a possibilidade para eles entrarem no mercado de trabalho, sustentar a família e não voltar pro mundo do crime. O período da páscoa é excelente para as vendas de ovos, seja o tradicional ou o recheado, mas depois podem investir nos bombons caseiros com diversos recheios como beijinho, brigadeiro e cupuaçu, e eles aprenderam a fazer todos. Todos estão aptos para trabalhar com o chocolate. Com apenas vinte reais já é possível começar um bom negócio”, ressaltou.

Apreciador de chocolate, o detento César Lima Nonato disse ser fácil a produção, e que o difícil mesmo é conter a vontade de comer. “O problema maior é eu não comer. Lá fora eu chegava a comprar 30 bombons, só não sabia que dava pra ganhar um bom dinheiro. Agora eu sei que gasta pouco e tem um lucro bom. É uma oportunidade de trabalhar até conseguir algo melhor, e quando estiver trabalhando, dá até pra conciliar”, afirmou.

O diretor da carceragem, Murilo Souza, aposta em cursos de capacitação para dar aos custodiados uma nova oportunidade de vida e ajudar as famílias que ficaram do lado de fora. “Os cursos são importantes por estar ocupando a mente deles, profissionalizando e dando a chance de quando eles estiverem em liberdade trabalharem por conta própria para garantir o sustento da casa. Enquanto eles não saem, fazemos este trabalho e procuramos parcerias para que eles gerem renda mesmo estando presos. Toda a renda arrecada é dada para a família e um percentual é usado para a compra dos materiais utilizados por eles para a produção”, explicou.

Na cidade já existem interessados para a compra dos ovos de páscoa. A Pastoral Carcerária, ligada a Igreja Católica já fez a encomenda dos ovos de chocolate que serão doados a crianças carentes. “Este é o nosso objetivo: ver o interno como uma pessoa que possui direitos e que é capaz de produzir, e os resultados estão sendo ótimos”, destaca o parceiro e representante do Senar e do Siproduz, Aécio Leite.

CRF também capacita internas com a produção de chocolate

Em Ananindeua, 30 internas do Centro de Recuperação Feminino (CRF) também foram capacitadas com o curso de ovos de páscoa, em parceria com a Casa do Sorveteiro. Uma culinarista foi quem ministrou o treinamento que também terminou nesta sexta-feira.

Mãe de duas meninas, Leilane Barbosa Sales já se imagina fazendo ovos de chocolate com as filhas. “Tirei várias dúvidas sobre como se faz os ovos de páscoa, e também vi demonstrações de como se faz os bombons, foi muito legal. Agora eu só penso em fazer e me divertir junto com as minhas filhas quando estiver lá fora”, disse a interna.

Com o espírito empreendedor, a interna do sistema penal Joice Gonçalves de Souza, 33, já pensa em um novo produto para o seu ponto de venda quando terminar de cumprir a sua pena. “Eu achei ótimo. Lá fora a gente trabalha e não tem tempo pra fazer cursos. Eu tinha um mercadinho e quando sair vou vender lá mesmo os bombons de chocolate”, garante.

Todo o material produzido será doado ao Serviço de Acolhimento Institucional Infantil que abriga crianças em situação de vulnerabilidade social em Belém. As internas irão organizar um café da manhã especial para as crianças.

(com colaboração de Aline Saavedra)

Por Timoteo Lopes


 

 

 

Pro Paz

 

 

Disque Denuncia

 

expresso pará - webmail

 

 

 

 

 

Copyright 2017 SEGUP - Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social

Endereço: Rua Arciprestes Manoel Teodoro, 305 - Batista Campos - Belém PA, CEP: 66023-700

Fone: (91) 3184-2500

E-mail:segup.ascom@gmail.com

Desenvolvimento: PRODEPA  Usando CMS livre - Drupal  Sítio Acessível